Os feitos do presente e as glórias do passado
Background personalidade
Atacante

Kléber, o Incendiário

Por
Sandro Moser, especial para UmDois Esportes
25/02/2024 00:01 - Atualizado: 21/02/2024 15:53

Não ter entendido Kléber foi um dos meus erros da juventude. Queria dele a eficiência sóbria que se deve cobrar dos medíocres, não dos grandes artistas. Justo dele que fazia coisas de "sarapantar".

Já percebia que era imprevisível como o personagem criado por Mário de Andrade e vivia entre a aguda perspicácia e uma perigosa irresponsabilidade, como quando renunciou ao gol no Atletiba para pegar a correntinha de ouro que lhe escapara do pescoço. 

O Macunaíma da Baixada ia da mansidão à brutalidade como quando invadiu um dos gramados do CT de carro e deu zerinhos no círculo central. Depois pediu perdão e ficou tudo bem.

Kléber encarnava o conceito de "veneno-remédio", dilema da modernidade nacional: se nos organizamos, não somos mais Brasil, mas se seguimos como somos, nunca nos organizaremos.

O atacante nascido em Peri-Mirim, no Maranhão, chegou ao clube em 1999 com muitos problemas dentários. Foi preciso trocar toda a "mobília" até que pudesse estrear. Tinha mais avós do que nós, pois usava seus enterros para justificar o atraso nas reapresentações.

Incendiava o estádio. Quando a bola o encontrava, abria-se uma janela ao infinito. Ninguém ficava indiferente ao terceiro maior goleador da história do clube, com um 124 gols em 185 jogos, e o maior da Baixada, com 67 gols. Em 2001, marcou 50 vezes e sua Chuteira de Ouro nos valeu o título.

O parceiro de Alex Mineiro ficou apenas 34 gols atrás de Sicupira, uma diferença que Kléber tiraria fácil em mais uma temporada ou se tivesse acertado metade dos pênaltis que perdeu e feito os gols que não fez depois de deixar o goleiro no chão.

Mas Kléber não se lamentava tal qual um ator canastrão quando a bola não entrava. Com certo desdém vilanesco, sabia que ela obedientemente logo voltaria aos seus pés. Para ele o difícil era fácil.

Se um dia não o compreendi, Kléber, foi porque era jovem e tolo. Você foi o jogador mais original e o atacante perigoso que minha geração pôde aplaudir.

Veja também:
Vasco encaminha contratação de volante do Athletico
Vasco encaminha contratação de volante do Athletico
Técnico dispensou Neymar pessoalmente, revela jornal
Técnico dispensou Neymar pessoalmente, revela jornal
Corinthians x Atlético-MG: escalações prováveis, como assistir, data e horário
Corinthians x Atlético-MG: escalações prováveis, como assistir, data e horário
Atlético-GO x Flamengo: escalações prováveis, como assistir, data e horário
Atlético-GO x Flamengo: escalações prováveis, como assistir, data e horário
participe da conversa
compartilhe
Encontrou algo errado na matéria?
Avise-nos
+ Notícias sobre 100 personalidades
Sandro Moser, o autor
Jornalista

Sandro Moser, o autor

Joffre Cabral e Silva, uma ópera rubro-negra 
Presidente

Joffre Cabral e Silva, uma ópera rubro-negra 

Alex Mineiro, o G.O.A.T
Atacante

Alex Mineiro, o G.O.A.T