Os feitos do presente e as glórias do passado
Background personalidade
Volante

Cocito, o volante raçudo

Por
Sandro Moser, especial para UmDois Esportes
22/01/2024 00:01 - Atualizado: 07/02/2024 21:59

Quando soube que Cocito iria no ônibus da galera até o Uruguai ver a final da Sul-Americana 2021, não me surpreendi. Disposição para a luta e comprometimento com as cores rubro-negras nunca faltaram a ele, pelo contrário. 

Thiago Marcelo Silveira Cocito chegou em Curitiba aos 20 anos, vindo de Ribeirão Preto, em um pacote que ainda incluía Gustavo e Lucas (que achado!) para se tornar ídolo da nação atleticana muito por conta dessas qualidades, mas não só por elas. 

Cocito não merece a fama volante-brucutu que muitos tentaram lhe impingir. Era ágil e dinâmico. Desarmava com precisão. Tinha categoria para controlar bolas difíceis sob pressão, repertório de dribles e passes curtos e médios e uma jogada-assinatura: o lançamento de letra.

Com tudo isso, foi quatro vezes campeão paranaense, em 1998, 2000, 2001 e 2002 e fez parte do grupo que ganhou a Seletiva em 1999. Na conquista do Campeonato Brasileiro de 2001 foi, com muitos corpos de vantagem sobre o segundo colocado, o melhor volante da competição.

Curiosamente, sua carreira ficou marcada por um lance nas quartas de final contra o São Paulo, numa dividida com o jovem meia Kaká. Da arquibancada, vi um lance de jogo, falta discutível, sem necessidade de cartão amarelo, como concordou o juiz. 

Mas como Kaká saiu chorando de campo, o roteiro maniqueísta que a imprensa tanto gostava estava pronto: “o menino bonzinho contra o volante malvado”. Uma bobagem que prejudicou a carreira de Cocito.

Após o fim do ciclo de 2001, o volante rodou e, por ironia da bola, estava em Erechim com a camisa adversária em 2004, no mais trágico jogo de nossos 100 anos. Se estivesse com a nossa, o que teria acontecido? No ano seguinte, voltou para formar a sólida linha de três zagueiros que quase nos deu a Libertadores.

Anos depois, voltou a trabalhar no clube, como muitos de seus colegas da geração 2001. Quando o título nacional completou 20 anos, ele organizou uma grande festa para homenagear companheiros, diretoria e staff. Aposentado, Cocito segue tão atleticano quanto o volante raçudo que nos emocionava com seus lindos carrinhos.

Veja também:
Carneiro Neto e os “atleticanos que queriam vender a Baixada”
Carneiro Neto e os “atleticanos que queriam vender a Baixada”
UFC México fica marcado por briga generalizada
UFC México fica marcado por briga generalizada
Quanto Bambam e Popó receberam para lutar no FMS?
Quanto Bambam e Popó receberam para lutar no FMS?
Presidente do Sport vê xenofobia no STJD após punição com portões fechados
Presidente do Sport vê xenofobia no STJD após punição com portões fechados
participe da conversa
compartilhe
Encontrou algo errado na matéria?
Avise-nos
+ Notícias sobre 100 personalidades
Jadson, o “Maradoninha” do Caju 
Meia

Jadson, o “Maradoninha” do Caju 

Kléber, o Incendiário
Atacante

Kléber, o Incendiário

Alessandro, o centauro 
Lateral-direito

Alessandro, o centauro