A suspensão do Athletico para contratar, em virtude do Caso Rony, foi derrubada na Comissão Arbitral do Esporte (CAS). Assim, o Furacão já pode contratar e registrar novos jogadores em âmbito nacional e internacional. Inicialmente, a punição previa a suspensão de contratações até junho de 2021.

Ficou acordado que o Athletico vai pagar à vista uma multa de US$ 1,2 milhão (cerca de R$ 7 milhões) ao Albirex, do Japão, referente à quebra de contrato de Rony com o time japonês. O valor da multa é imposta ao jogador, mas que o Furacão assume como parte solidária porque estava previsto no contrato quando Rony assinou com o time paranaense.

Rony também foi liberado da punição de quatro meses. Ele não chegou a ficar fora dos gramados, pois o Palmeiras já havia conseguido um efeito suspensivo para o atacante no ano passado.

Como o Athletico cumpriu uma janela inteira sem contratar, no final do ano passado, a punição foi reduzida pelo CAS. A nova audiência foi dividia em dois dias, 18 e 19 de março, e teve resultado divulgado em apenas uma semana.

Durante a audiência, o Furacão chegou a fazer uma proposta para aumentar o valor do pagamento da multa para 2 milhões de dólares, mas a negociação não avançou e o valor da multa inicial estipulada pela Fifa de 1,2 milhão de dólares prevaleceu. O Albirex cobrava 10 milhões de euros (R$ 66 milhões) pela quebra contratual.

Em nota oficial, o Athletico comemorou a decisão. Leia:

"O Club Athletico Paranaense vem informar a todos os seus torcedores que acaba de receber a decisão da Court of Arbitration for Sport (CAS) atribuindo parcial provimento ao recurso de apelação do CAP e determinando a definitiva e imediata retirada da suspensão disciplinar (“transfer ban”) aplicada pela FIFA no caso que envolvia a contratação do Atleta Ronielson da Silva Barbosa (“Rony”). Com esta decisão final da Suprema Corte Internacional do Desporto, o CAP fica liberado para efetivar registros e inscrever novos atletas no âmbito nacional e também internacional".

O que foi o "caso Rony"?

Em maio de 2018, quando pertencia ao Albirex Niigata, Rony entrou com uma ação na Fifa pedindo liberação para assinar com o outro clube. Já o time asiático acusava Rony de ignorar um contrato de três anos assinado em fevereiro de 2017. A multa era de 10 milhões de euros.

Corinthians e Botafogo, desistiram de contratar Rony, temendo futuros problemas na Justiça. O clube carioca, inclusive, chegou a anunciar o atleta, antes de desistir da negociação. Em agosto de 2018, a Fifa liberou com uma liminar provisória a saída de Rony, que assinou com o Athletico.

Por isso, o Albirex acionou o TAS para cobrar a multa contratual e uma punição ao Athletico pela contratação irregular do atacante paraense.

Em junho de 2020, o TAS concedeu decisão favorável ao Albirex. Rony foi multado em US$ 1,7 milhões (R$ 9 milhões na cotação atual). Porém, o Athletico se responsabilizou em pagar a multa como parte solidária. O Furacão também sofreu uma sanção da Fifa: ficar duas janelas sem poder contratar atletas, ou seja, até julho de 2021.

Rony também foi suspenso por quatro meses sem poder jogar, mas o Palmeiras, clube que comprou Rony do Athletico em 2020, conseguiu um efeito suspensivo.

O Athletico foi defendido pelo advogado carioca Marcos Motta, o mesmo que representou o Furacão no casos de doping de Thiago Heleno e Camacho. Motta é um advogado conceituado, influente na Fifa, e que já defendeu Neymar, Gabriel Jesus e o surfista Gabriel Medina.

Participe da conversa!
0