Como contabilizar o tamanho do prejuízo dos clubes durante a pandemia do coronavírus? Para Mario Celso Petraglia é uma missão complicada. Em meio a um calendário bagunçado e tomado por incertezas que marcam o cenário do futebol brasileiro, os clubes tentam absorver o impacto econômico e os efeitos causados pela Covid-19.

O presidente do Athletico considera que os clubes levarão anos para tampar “os buracos” das consequências da pandemia.

“Temos valores tangíveis e intangíveis. É muito difícil quantificar as perdas, dar números a elas. Serão dois anos de atraso no nosso projeto”, disse o dirigente, em contato com o UmDois Esportes.

“As consequências maiores e piores teremos na frente com o buraco técnico e financeiro que o setor está criando E que levaremos anos trabalhando para tampá-lo. Seria nessa hora que deveríamos estar unidos e conscientes da realidade dos fatos. Amanhã com certeza esquecerão da pandemia (o povo tem memória curta) e continuarão nos cobrando as promessas nos prazos que estabelecemos como se nada tivesse acontecido nestes anos que estamos vivendo”.

Petraglia também destacou a paralisação das atividades das categorias inferiores do Furacão, com prejuízos de ordem técnica, física e cultural.

“Estamos parados nos programas das famílias com menores de dez anos para cima, parados com o sub-14, sub-15, sub-16, com poucos treinos do sub-17 e sub-19. Como quantificar a descontinuidade pelos dois anos que estaremos parados?”, indaga.

Responda ao quiz especial do torcedor do Athletico! Compartilhe

Quiz do Athletico
| Ilustração: Osvalter Urbinati. Design: Gabriela Salazar.

Dimensão

Com uma visão a longo prazo, Petraglia cita alguns “estragos” que a crise do coronavírus vem causando em mais de um ano.

“O boulevard estaria pronto até final deste ano, milhares de pessoas estariam circulando diariamente, as centenas de milhares dos jogos, outras tantas nos shows e eventos, as vendas que deixamos de fazê-las, os sócios que nos deixaram, a venda de alimentos e bebidas, os patrocínios que não vendemos, as cadeiras vips, os camarotes, estacionamentos e outros tantos produtos que poderíamos ter desenvolvido neste período”, completa.

Em 2020, mesmo em meio à pandemia, o Athletico movimentou o boulevard, localizado na parte da frente da Arena da Baixada, como franquias da Natura (Arena da Beleza), da rede de chocolates Cacau Show e, mais recentemente, a cafeteria Ultra Coffee, que se somam à loja oficial do clube, uma hamburgueria e uma pizzaria. Desde 2016, o clube tenta movimentar comercialmente a área com lojas na rua Buenos Aires.

Participe da conversa!
0