O Athletico pediu ao Tribunal de Justiça do Estado do Paraná (TJ-PR) a extensão, por mais 120 dias, da suspensão do processo envolvendo o clube, a prefeitura de Curitiba e governo estadual sobre a divisão do acordo tripartite para a construção da Arena da Baixada para a Copa do Mundo de 2014. O requerimento foi protocolado na última sexta-feira (5).

O processo está oficialmente parado desde março de 2020, mas as partes têm buscado um acordo extrajudicial. Segundo o próprio Athletico, houve evolução nas tratativas.

A reportagem apurou ainda que o clube está otimista em um desfecho favorável para resolver a disputa jurídica que se arrasta desde 2014. O ambiente de pandemia, com as mediações tendo de ocorrer de forma virtual, tem atrasado esta definição.

“As partes estão empenhadas, em ambiente extraprocessual, a obter a solução consensual de conflito. As negociações nesse sentido são promissoras e evoluíram nos últimos meses”, diz a manifestação do clube ao TJ-PR.

Relembre o caso do acordo tripartida da Arena da Baixada

Em junho de 2019, o Athletico apelou para evitar a imediata execução da dívida contraída para a construção da Arena da Baixada para a Copa do Mundo de 2014.

Contando juros, multas e encargos, o valor da dívida já passa de R$ 600 milhões. Ao todo, foram quatro contratos de financiamento firmados para a realização da reforma do estádio.

O Athletico defende o rateio equitativo do valor final da obra para a Copa, orçado em R$ 342,6 milhões, enquanto a governo e prefeitura defendiam a divisão de apenas R$ 184,6 milhões, quantia do segundo aditivo contratual da reforma.

Após negociações, o governo do estado aceitou arcar com sua parte com base no valor final. O município, entretanto, entende que a divisão correta é dos R$ 184,6 milhões.

Já em junho de 2020, o Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) deliberou que a divisão do acordo tripartite deve considerar o valor final da obra, conforme defende o Athletico.

Um laudo pericial conduzido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), por sua vez, orçou o valor total da obra em R$ 397 milhões (considerando valores extras da obra não cobrados pelo clube na Justiça, como a instalação do teto retrátil).

A perícia da FGV apontou ainda que as duas primeiras estimativas do orçamento da reforma não eram realistas, argumento utilizado também pela maioria dos conselheiros do TCE para justificar a divisão baseada no valor final da obra.

Responda ao quiz especial do torcedor do Athletico! Compartilhe

Quiz do Athletico
| Ilustração: Osvalter Urbinati. Design: Gabriela Salazar.
Participe da conversa!
0