O Nikão decisivo, a torcida do Athletico conhece. Agora, o que falar do outro lado do jogador? É o que contam os ex-jogadores do Furacão, os laterais Renan Lodi e Jonathan. Para eles, o camisa 11 é muito mais que um companheiro de time.

Jonathan conviveu durante quase cinco anos com Nikão. Viraram amigos e compadres. Jonathan chegou ao Furacão em dezembro de 2016, antes do meia-atacante, contratado em janeiro de 2015. Juntos conquistaram quatro títulos: a Copa Sul-Americana 2018, a J. League/Conmebol de 2019, a Copa do Brasil de 2019 e o Campeonato Paranaense de 2020.

"O Nikão hoje é ídolo do Athletico, com méritos. É um jogador diferente. A gente percebe que, quando ele não joga, o Athletico sente a ausência. Creio que ele é muito feliz por estar vestindo essa camisa. Ele é uma referência para os mais novos e também é líder. Ele é um cara diferente, dentro e fora de campo", disse Jonathan, em entrevista exclusiva ao UmDois Esportes.

Da Espanha, os elogios com uma pitada de saudade vêm de Renan Lodi. No Atlético de Madrid desde julho de 2019, o lateral relembra a trajetória de Nikão e parabeniza o amigo pela marca que vai atingir no clube.

"O Nico é um ídolo, é uma lenda dentro do Athletico. Vai ser difícil alguém superar essa marca dele. Ele passou por muitas coisas dentro do clube, chegou desacreditado, com dúvidas, e hoje ele está alcançando essa marca importante. Sinto muitas saudades dele, e de jogar com ele novamente", falou o lateral-esquerdo.

Lodi chegou ao Athletico em 2012 e passou por todas as categorias do clube até se profissionalizar, em 2016. Na caminhada, contou com o suporte de Nikão, a quem tem como irmão.

"O Nikão é um cara que sempre me ajudou, desde o sub-20, quando eu estava tentando subir pro profissional, sempre me deu muito apoio. Ele é um irmão que eu vou levar pro resto da minha vida. Estou muito feliz por ele alcançar essa marca no Athletico".

Nikão e Jonathan, juntos nas conquistas inéditas da Copa do Brasil e Sul-Americana
Nikão e Jonathan, juntos nas conquistas inéditas da Copa do Brasil e Sul-Americana| Arquivo Pessoal e Lineu Filho/Arquivo Tribuna do Paraná

De "Brow Brow" para "Nikanizio"

Extrovertido nas redes sociais, Jonathan costumava compartilhar com seus seguidores o dia a dia no CT do Caju, principalmente quando estava ao lado de Nikão. Nikão, não. "Nikanizio", apelido que deu ao jogador.

A grande amizade entre os dois fez com que Jonathan fosse padrinho de casamento de Nikão, em dezembro de 2018, em Montes Claros-MG, dez dias depois de conquistarem juntos o título inédito da Sul-Americana.

"Nos anos que eu estive no Athletico e convivi com o Nikão, pude conhecer um cara muito humilde, que crê muito na palavra de Deus e, acima de tudo, é um baita de um companheiro. Ele vive pela sua família e pelo seu trabalho", detalha Jonathan.

Jonathan também destaca a sintonia com Nikão, e o aprendizado que teve ao longo de quase cinco anos de convivência.

"A gente teve uma sintonia muito grande, jogávamos do mesmo lado, e conseguimos fazer uma parceria muito legal. Eu aprendi muito com ele, principalmente no extra campo. E isso fez com que a gente se aproximasse tanto", disse o lateral-direito se despediu do Furacão com 131 jogos.

Jonathan revela que Nikão foi um dos melhores extremos com quem jogou na carreira e a ressaltou a facilidade que é atuar ao lado dele em campo.

"O Nikão foi um dos melhores extremos com quem joguei na minha carreira, que sabe o momento certo de acelerar, de cadenciar, tem uma força incrível, um chute absurdo, e é inteligente pra jogar. É muito fácil jogar com ele".

"Sou grato a Deus pela oportunidade, de ter conhecido um cara como ele, que conhece muito da palavra de Deus, e é um excelente profissional. Ele somou demais pra minha carreira, me ajudou muito no Athletico, e também na minha vida pessoal. Sou um cara muito privilegiado de ter conhecido o Nikão, porque ele faz a diferença no campo e também na vida de muitas pessoas ao seu redor".

Participe da conversa!
0