Jogo 300, placa e camisa especiais, retorno da torcida à Arena da Baixada, presença dos familiares no estádio e boa atuação. A noite de Nikão só não foi perfeita porque o Athletico acabou derrotado para o Bahia por 2 a 0, pela 25ª rodada do Brasileirão.

O ídolo atleticano respondeu, em entrevista coletiva, sobre o sentimento de estar alcançando uma marca tão importante no Furacão. Desde 2000, só ele, Weverton (318 jogos) e Alan Bahia (363 jogos) vestiram tantas vezes a camisa rubro-negra.

"Eu me sinto muito honrado de poder fazer parte desta grande história do Athletico. Fico feliz pelas conquistas, com o reconhecimento de todo torcedor. É um momento único. Não foi fácil, mas o clube tem me ajudado", afirmou, ao lado dos filhos na sala de imprensa da Arena da Baixada.

Veja a tabela e a classificação do Brasileirão

"Nada eu alcancei ou consegui sozinho. Em todo esse processo tive pessoas que me ajudaram a chegar a alcançar essa marca. Só tenho a agradecer a todos os profissionais e tudo aquilo que o clube nos oferece. Tudo isso faz parte da minha trajetória vitoriosa dentro do clube", completou.

Em sua sétima temporada no clube, Nikão já conquistou cinco títulos, com 44 gols e 43 assistências. Para o camisa 11, as taças da Sul-Americana, em 2018, e da Copa do Brasil, em 2019, foram os momentos mais especiais desta trajetória. E o meia-atacante pode conquistar mais uma vez o torneio continental antes do término do seu contrato em dezembro.

"São muitos anos de clube, mas os melhores sentimentos de um atleta são quando você conquista coisas dentro de um clube, é o auge. Até aqui, tenho conseguido alcançar títulos. Todos os campeonatos foram importantes, mas se eu fosse frisar momentos especiais para lembrar, sem dúvida, são os títulos da Sul-Americana e da Copa do Brasil", resumiu.

Meia Nikão no jogo 300.
Meia Nikão no jogo 300.

Nikão no reencontro com a torcida atleticana e derrota para o Bahia

Nikão comemorou o retorno dos torcedores à Arena da Baixada e analisou a derrota para o Bahia. O camisa 11 disse que a equipe fez um primeiro tempo ruim. O próprio meia foi melhor na etapa final e acertou o travessão.

"Para mim, é motivo de muita alegria poder reencontrar o torcedor. A gente queria que o reencontro viesse acompanhado de uma vitória, mas pudemos sentir o calor de cada um. Não conseguimos o nosso objetivo, mas a equipe vem fazendo um grande ano e na quarta já temos outro compromisso contra a Chapecoense", ressaltou.

"O campeonato está maluco. A equipe e o torcedor têm muitos motivos para comemorar. Claro que só é possível quando vem acompanhando de vitória. Hoje, deixamos a desejar principalmente no primeiro tempo. Mas não há tempo para lamentar. É levantar a cabeça. Faz parte do futebol", finalizou Nikão.

Torcida na Arena contra o Bahia
Torcida na Arena contra o Bahia
Participe da conversa!
0