Athletico e Atlético-MG colocam à prova modelos financeiros opostos na decisão da Copa do Brasil, que começou com massacre mineiro dentro de campo na partida de ida, no último domingo (12), no Mineirão.

Após o 4 a 0 imposto pelo time de Cuca dentro de casa, a finalíssima será nesta quarta-feira (15), às 21h30, na Arena da Baixada.

Com time caro e estrelado, o Galo tem uma das maiores dívidas do futebol nacional e dispõe de uma relação de mecenato com empresários bilionários e torcedores do clube, turbinando as finanças com uma espécie de anabolizante econômico.

De outro lado, o Furacão tem elenco mais econômico e é citado como exemplo de gestão sóbria e empresarial, capaz de ser autossustentável financeiramente e fazer frente a rivais mais endinheirados do futebol nacional. Os números atestam as disparidades financeiras entre os xarás brasileiros.

Elencos

Nacho Fernández, um dos destaques do Atlético-MG. Foto: Divulgação/Atlético-MG
Nacho Fernández, um dos destaques do Atlético-MG. Foto: Divulgação/Atlético-MG

Com nomes como Hulk, Diego Costa e Nacho Fernández, o elenco do Atlético-MG vale mais que o dobro do Furacão. Segundo estimativa do próprio Galo, publicada em balanço financeiro, o atual grupo de jogadores do clube mineiro está avaliado em R$ 930 milhões. Apenas o argentino Nacho Fernández custou R$ 58 milhões junto ao River Plate-ARG.

Já o Furacão, mesclando jovens promessas como Abner, Christian e Khellven, com ídolos como Santos, Thiago Heleno e Nikão, tem o elenco avaliado em R$ 368,5 milhões, de acordo com portal alemão especializado, Transfermarkt.

Mecenato no Galo...

Rubens Menin, principal mecenas do Atlético-MG. Foto: Reprodução
Rubens Menin, principal mecenas do Atlético-MG. Foto: Reprodução

O grupo de mecenas do Atlético-MG é formado por Rubens e Rafael Menin, donos do conglomerado que conta com MRV, CNN Brasil e Banco Inter; Ricardo Guimarães, proprietário do BMG; e Renato Salvador, cuja família é dona do hospital Matter Dei.

O grupo iniciou a relação com o Galo em 2020. Desde então, já fez empréstimos que superam os R$ 400 milhões. “Queremos receber quando for possível. Está no planejamento. Isso é sem juros”, disse Menin em abril deste ano, em entrevista ao ge.com.

“Uma dívida sem juros, para comprar jogador, e pagar quando quiser, o Barcelona quer, o Real Madrid quer. Deve R$ 1 bilhão? Mas 40% aproximadamente disso são sem juros”, reforçou.

...autossuficiência no Athletico

Mario Celso Petraglia, presidente do Athletico. Foto: Albari Rosa/Arquivo/Gazeta do Povo
Mario Celso Petraglia, presidente do Athletico. Foto: Albari Rosa/Arquivo/Gazeta do Povo| Gazeta do Povo

Já o Athletico, liderado por Mario Celso Petraglia, vem de sete anos consecutivos de superávit em seus exercícios financeiros. Em 2020, o Furacão bateu recorde ao registrar R$ 134,4 milhões positivos. Somados estes últimos sete anos, o superávit chega a R$ 370 milhões.

Estratégia que tem como cerne a aposta nas categorias de base e uma ação clínica nos mercados de transferência. Em 2020, apenas com vendas de jogadores, descontadas participações de terceiros e intermediações, foram R$ 152 milhões recebidos.

Demais receitas

Foto: Albari Rosa/Foto Digital/UmDois Esportes
Foto: Albari Rosa/Foto Digital/UmDois Esportes| Albari Rosa / Foto Digital / UmD

De acordo com balanços financeiros de 2020, o Atlético-MG recebeu R$ 64 milhões em direitos de TV — o clube já havia antecipado parte do valor total em anos anteriores; R$ 21 milhões com marketing; R$ 18 milhões com torcida e estádio; e apenas R$ 26 milhões com vendas de atletas.

O Furacão, por sua vez, recebeu R$ 75 milhões em direitos de TV; R$ 26 milhões com marketing; e outros R$ 25 milhões com torcida e estádio.

Endividamento

Arena da Baixada, estádio do Athletico. Foto: Albari Rosa/Arquivo/Gazeta do Povo
Arena da Baixada, estádio do Athletico. Foto: Albari Rosa/Arquivo/Gazeta do Povo| Gazeta do Povo

O Atlético-MG divulgou este ano balanço financeiro referente ao exercício do primeiro semestre de 2021. A dívida total do clube mineiro alcança exorbitante R$ 1,32 bilhão, sendo que R$ 487 milhões são de curto prazo.

Neste período, o Atlético-MG conseguiu quitar quase R$ 90 milhões em dívidas com a Fifa. E apresentou superávit de R$ 49 milhões, gerado em grande parte através da renegociação e parcelamento de dívidas e turbinado pelos empréstimos feitos por empresários - sem os quais as contas do clube mineiro não fechariam.

Por outro lado, em seu último balanço financeiro publicado, referente ao exercício de 2020, o Athletico apresentou superávit de R$ 134,4 milhões. Foi o sétimo ano seguido que o Furacão fechou com lucro. Somadas estas temporadas, o montante chega a R$ 370 milhões.

Sem considerar a pendência judicial envolvendo o pagamento da Arena da Baixada, o Rubro-Negro não tem nenhuma outra dívida capaz de tirar o sono dos cartolas — o Furacão possui caixa para quitar todos os seus compromissos fiscais, trabalhistas e variados. Apesar disso, o passivo do estádio já ultrapassa R$ 600 milhões, com juros e correções.

Arena MRV

Projeto da Arena MRV. Divulgação/Atlético-MG
Projeto da Arena MRV. Divulgação/Atlético-MG

Em 2017, o conselho do Atlético-MG aprovou a venda de metade do shopping Diamond Mall, na capital mineira, que pertencia integralmente ao Galo. O valor recebido foi de R$ 250 milhões. Além do valor obtido na venda do shopping, o Atlético-MG obteve mais R$ 60 milhões com a venda de naming rights para a MRV, acordo válido por dez anos.

Valores que estão sendo reinvestidos na construção da Arena MRV, sonho antigo do estádio próprio do clube alvinegro.

Quando aprovada, a obra estava orçada em R$ 410 milhões. Com reajustes, o valor já ultrapassa R$ 700 milhões, incluindo aí quase R$ 100 milhões em contrapartidas exigidas pela prefeitura de Belo Horizonte.

O clube aposta na venda de camarotes e cadeiras cativas, além do licenciamento de estacionamentos, restaurantes e espaços do estádio para conseguir pagar o restante da construção da praça esportiva. Já existem, por exemplo, acordos fechados com Ambev e Brahma. Com todos os ativos negociados até o momento, o Galo estipula já ter R$ 600 milhões garantidos para o pagamento do estádio.

Participe da conversa!
0