O Athletico foi o único dos 20 clubes a rejeitar a nova proposta de divisão da premiação do Brasileirão, que incluiria as equipes rebaixadas para a Série B. Por acordo, a proposta da Globo só seria aceita se todos os participantes da competição votassem a favor do rateio.

Desta forma,  a premiação do Brasileirão 2020 terá a mesma divisão da edição anterior. Ou seja, serão contemplados os clubes que terminarem a competição entre 1º e 16º colocados. Os rebaixados não têm direito aos prêmios.

A nova proposta da Globo pagaria entre R$ 31 milhões (campeão) e R$ 4,6 milhões (20º colocado). Sem o acordo, a quantia segue entre R$ 33 milhões (campeão) e R$ 11 milhões (16º colocado).

A discussão sobre a mudança da premiação do Brasileirão, paga pela Globo, detentora da maior parte dos direitos de transmissão do campeonato em TV aberta, fechada e pay-per-view, se arrasta há mais de seis meses.

Segundo apurado pelo UmDois Esportes, o principal motivo pela negação do Furacão em aceitar a nova divisão é pela desigualdade das cifras entre os primeiros e últimos colocados do Brasileirão. Nas redes sociais, Petraglia explicou a posição do Athletico.

"Sempre fomos contrários a não distribuição para os 20 clubes que disputam a mesma competição os valores de performance e exposição na TV aberta e fechada!", postou o presidente licenciado do Athletico. Tentamos mudar essa posição, porém não conseguimos, era pegar ou largar! Além da não distribuição até o último colocado tentamos mudar a proporção de 1 x 3 e acabarmos com o privilégio dos 6 primeiros colocados, quais valores somam +- 50% do contrato", postou o dirigente.

"Esse assunto voltou em 2020 e os clubes resolveram mudar os valores da tabela, acordando a distribuição entre todos, porém, preservando o benefício para os primeiros! Apesar de termos sido 5º classificado em 2019 só concordaríamos se não houvesse o privilégio para os 6 primeiros! O CAP brigou pela distribuição igual para todos, ou na pior das hipóteses uma distribuição linear de 1 x 2 até o 20º lugar!", complementou Petraglia.

Coritiba não será afetado por votação da premiação do Brasileirão

Atual lanterna da Série A e correndo sérios riscos de rebaixamento, o Coritiba não será afetado pelo voto do rival. Ainda sob a gestão do ex-presidente Samir Namur, o Coxa assinou um contrato específico com a Globo válido exclusivamente para a atual edição do Brasileirão.

No acordo, o Coritiba recebeu R$ 22 milhões de cota fixa, sem direito às cotas variáveis, como premiação ou número de partidas transmitidas na TV aberta, como foi assinado pelos demais participantes.

Veja como ficou a premiação do Brasileirão 2020

Campeão – R$ 33 milhões
Vice – R$ 31,3 milhões
3º colocado – R$ 29,7 milhões
4º colocado – R$ 28 milhões
5º colocado – R$ 26,4 milhões
6º colocado – R$ 24,7 milhões
7º colocado – R$ 23,1 milhões
8º colocado – R$ 21,4 milhões
9º colocado – R$ 19,8 milhões
10º colocado – R$ 18,5 milhões
11º colocado – R$ 15,5 milhões
12º colocado – R$ 14,6 milhões
13º colocado – R$ 13,7 milhões
14º colocado – R$ 12,8 milhões
15º colocado – R$ 11,9 milhões
16º colocado – R$ 11 milhões

Participe da conversa!
0