Há quem diga futebol é o grande esporte entre todos porque é decidido por um evento raro. O gol pouco acontece em meio a milhares de outros lances como carrinhos, passes, dribles, faltas, laterais, divididas...

Mas se o que torna o jogo especial é a escassez de seu grande momento, em 2001, o ataque rubro-negro tirou nossa barriga da miséria.

Foram 68 gols. Até então, o segundo melhor da história. Só perdia para o Vasco de 1997, que marcou 69, mas eu, como não nasci ontem, sei que que este gol a mais foi feito com a mão por Edmundo contra nós, então não conta.

Muito do mérito é de Geninho, que manteve o 3-5-2 que herdou de Carpegiani e Mário Sérgio, mas o tornou ainda mais ofensivo. Para ele, seu time estava taticamente muito à frente de seu tempo.

"Aquele time fazia muita coisa que hoje em dia virou o mais moderno. Fazia uma pressão na saída de bola do adversário e jogava com três zagueiros, o que naquela época era novidade, foi muito criticado e hoje os treinadores estrangeiros estão vindo aqui no Brasil e usando os três zagueiros. Então aquele time há 20 anos atrás estava muito atualizado. Dava para dizer que estava anos à frente e talvez por isso fez uma campanha como fez e acabou surpreendendo pelo título", comenta Geninho.

"Aquele time há 20 anos atrás estava muito atualizado"

Geninho

Era mesmo uma doideira o Furacão da caveira. Kléber, Alex Mineiro, Gabiru ou Souza, e Kléberson iam na garganta da zagueirada adversária. O time se defendia com apenas quatro homens: o trio de zaga, que mais parecia uma gangue em campo, que além de fecharem a casinha chegavam muito na frente, e Cocito.

Todos os três da defesa, Rogério Corrêa, Gustavo e Nem (foto abaixo), fizeram e participaram de gols decisivos. Já o volante Cocito levantava a torcida ao misturar o refino de jogadas da época do futebol romântico com as técnicas do full contact e do boxe tailandês.

Arquivo/GRPCOM
Arquivo/GRPCOM

Os dois laterais, Fabiano e Alessandro, eram caso à parte. Incansáveis, faziam o time ganhar por pontos cavando faltas, escanteios e roubando a bola no ataque. Perguntei a Alessandro, quantas meias-luas ele deu em 2001:

"Bastante! Tinha essa marca que ficou registrada na lembrança dos torcedores atleticanos, tinha um repertório de dribles, mas essa marcou mais porque eu tinha essa facilidade e entendia o momento de fazer essa jogada", comenta o ex-camisa 2, na foto abaixo com o meia Adriano.

Arquivo/GRPCOM
Arquivo/GRPCOM

Pensado bem, o time era a cara da nova identidade do clube nos anos 2000. O esquadrão de Geninho era faminto por títulos, arruaceiramente ofensivo e petulantemente ambicioso. Como disse Eduardo Galeano:

"Diga-me como jogas e eu te direi quem és"

Eduardo Galeano
Kléberson e Alex Mineiro. Arquivo/GRPCOM
Kléberson e Alex Mineiro. Arquivo/GRPCOM

Sandro Moser é jornalista, escritor, autor da biografia "Sicupira - Vida e gols de um craque chamado Barcímio". Convidado pelo UmDois Esportes, o atleticano encarou o desafio de recontar a odisseia atleticana que completa 20 anos.

Leia todos os episódios da série especial sobre os 20 anos do título do Athletico de 2001

Veja fotos exclusivas do Athletico de 2001!

Participe da conversa!
0